Entenda mais sobre a obrigatoriedade do Cupom Fiscal (NFC-e)

03/11/2015 07:51

A Nota Fiscal de Consumidor Eletrônica, ou apenas NFC-e, surgiu há apenas alguns anos e já é considerada uma verdadeira revolução no mundo do varejo. Como toda boa tecnologia, ela veio para melhorar a vida do empreendedor brasileiro e traz consigo mudanças significativas.

A adoção de novas plataformas sempre traz uma gama de novas facilidades, seja para pequenas ou grandes empresas. Processos são agilizados, burocracias diminuídas e custos reduzidos. Mas do que se trata, exatamente, esse novo e revolucionário modelo de nota fiscal? Vejamos a seguir:

 

O que é a NFC-e?

O projeto da Nota Fiscal de Consumidor eletrônica surgiu em novembro de 2013, em âmbito nacional. O principal objetivo é a implantação de um modelo de documento fiscal único em todo país, podendo, assim, substituir as tradicionais emissões via papel, sem que a validade jurídica seja afetada.

O documento terá a mesma validade da nota fiscal impressa. A diferença é apenas na questão do formato, que agora é digital. Dessa forma, a NFC-e substituirá todos os documentos em papel gerado por lojistas.

Serão também substituídos os cupons emitidos por Equipamento Emissor de Cupom Fiscal (ou ECF) e a Nota Fiscal de venda, modelo 2.

 

Quais as suas vantagens?

Agora é possível gerar, visualizar e receber notas fiscais de qualquer lugar e a qualquer hora. Não há mais limites físicos, uma vez que o manejo dos documentos ocorre através de dispositivos móveis – como notebooks, tablets e smartphones.

O cliente também tem total controle sobre esses documentos podendo, inclusive, acompanhar seu fluxo em tempo real, o que aumenta bastante a sua segurança em relação às compras.

Da mesma maneira que ocorre em vários outros segmentos em que os formatos digitais substituem os físicos, a economia é certa. Pense em quanto papel não será economizado, já que a necessidade de se fazer impressões é praticamente zerada.

Não havendo mais aquela quantidade de papel tendo que ser armazenada em arquivos, mais espaço automaticamente é ganho. E, uma vez que a NFC-e é armazenada totalmente de forma eletrônica, haverá consequentemente maior organização e menor risco de se perder ou ter o conteúdo desgastado com o tempo.

De toda forma, a impressão do documento não é impossibilitada: o projeto permite sua execução normalmente. A grande diferença é que agora pode ser feito em papéis e equipamentos comuns, dispensando o uso do papel oficial ou impressoras fiscais.

Todo o processo é facilitado. Você não precisa recorrer a nenhum interventor técnico ou ter que fazer a homologação de hardware ou software. A NFC-e pode ser emitia em computadores e programas comuns que você tem aí na sua empresa.

 

Adequação à nova realidade

As vantagens da adoção da NFC-e são muitas, sejam de economia, de agilidade nos processos ou de inovação. E como toda nova realidade, é preciso se adaptar. Por isso, a expectativa é de que até 2018 todas as empresas que preencherem os requisitos básicos de adesão à NFC-E estarão obrigadas a instituir as mudanças necessárias no seu ponto de venda.

É muito importante, porém, que não se procure fazer essa transição da noite para o dia, mas sim, de forma suave, gradual. Dessa forma você evita dor de cabeça para você e sua equipe e, principalmente, de cometer erros na implementação.

Gostou das vantagens da adoção da NFC-e? Já possui esse sistema na sua empresa?

Fonte: Parceria Artsoft Sistemas